Reconhecimento

Radialista da EBC e pesquisadora, Helena Theodoro será homenageada no Congresso Nacional

Homenagem faz parte da audiência pública sobre os “100 anos da Rádio MEC e o papel da rádio pública na democracia"

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |
Entre os programas que criou estão o "Samba na Palma da Mão" e "Origens", dedicados à cultura, história de África e do Brasil negro - Reprodução

Perto de completar 80 anos, a professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e radialista aposentada pela Rádio MEC Helena Theodoro será homenageada pela deputada federal Benedita da Silva (PT). Em audiência pública sobre os "100 anos da Rádio MEC e o papel da rádio pública na democracia", que acontece na próxima quarta-feira (12), em Brasília, será lembrada a trajetória de Helena na emissora pública. 

Continua após publicidade

O evento tem apoio da Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-Rio), do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro (SJMRJ).

Leia também: No Rio, entregadores de aplicativo denunciam clientes após chutes, empurrões e tapas na cara

Bacharel em Direito, pedagoga, mestre em Educação, doutora em Filosofia, com pós-doutorado em História Comparada, escritora e pesquisadora, Helena Theodoro começou sua carreira como radialista na Rádio MEC, ainda adolescente, aos 15 anos. Ela era pianista de formação.

Por sua versatilidade, Helena foi redatora e produtora, se tornando a primeira coordenadora do Projeto Minerva, de educação à distância. Fez também infantis (Cantinho Musical), musicais (Faixa Autoral) e de entrevistas. Entre os programas que criou estão o "Samba na Palma da Mão" e "Origens", dedicados à cultura, história de África e do Brasil negro.

"Comecei a fazer programas de música africana e houve algo interessante, nos anos 1980, que foi a criação do programa Origens, junto com a Sociedade de Cultura Negra no Brasil, de Salvador, com o Mestre Didi", disse em entrevista à Rádio MEC. 

"Eu colocava no ar contos do Mestre Didi 'radiofonizados' e fazia interpretação da cultura negra, falava dos quilombos, do nosso tipo de resistência e entrevistava personalidades negras", completou.

O programa de Helena tinha vinheta concebida e cantada pelo próprio Mestre Didi. Na emissora, a intelectual entrevistou nomes como Lélia González, Beatriz Nascimento, Carlos Alberto Medeiros, Joel Rufino dos Santos, Muniz Sodré e Martinho da Vila.

Na audiência sobre os 100 anos da emissora, além da homenagem, também será solicitada ao governo federal a migração da Rádio MEC para a frequência FM, também o espaço no dial FM de cidades do Sul e Norte fluminenses, como Macaé. A Rádio MEC opera no 800 AM, com baixíssima potência, por decisão da EBC, no governo de Jair Bolsonaro, na web e no app Rádios EBC. A MEC FM está na 99,3 FM.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Mariana Pitasse