QUATRO ANOS

Acusado de matar Marielle Franco e Anderson Gomes, Ronnie Lessa é expulso da PM

Parlamentares criticaram demora entre prisão de ex-policial e decisão da corporação por expulsá-lo

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |
Ronnie Lessa está preso desde março de 2019, junto com Élcio Queiroz, pelos assassinatos de Marielle Franco e Anderson Gomes - Foto: Reprodução

A Polícia Militar do Rio de Janeiro expulsou da corporação Ronnie Lessa, acusado de matar a vereadora Marielle Franco (Psol) e o motorista Anderson Gomes em março de 2018, no centro da capital fluminense. A decisão foi publicada na última quarta-feira (8). No ofício interno, a PM justifica a expulsão pela conduta de Lessa classificada como "execrável".

Continua após publicidade

Leia mais: Ex-assessora de Marielle Franco e única sobrevivente é recebida pelo Ministério da Justiça

Parlamentares amigas de Marielle afirmaram que a decisão da PM é tardia e que não há motivo para comemoração, já que a corporação demorou quatro anos para tomar uma atitude em relação ao então sargento reformado e agora ex-policial. Nas redes sociais, a deputada federal Talíria Petrone (Psol) comentou a decisão.

"Só agora a PMERJ expulsou Ronnie Lessa, condenado pelo assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes. Quase cinco anos após o crime, ainda queremos saber quem foi o mandante. Exigimos uma resposta contundente!", afirmou.

"Só agora? Finalmente, a PMERJ expulsou o matador de aluguel Ronnie Lessa, assassino de Marielle e Anderson. Ele era da reserva até hoje, 5 anos depois da execução covarde de nossa companheira. Se Lessa matou, quem pagou? Quem mandou matar Marielle?", disse a vereadora Mônica Cunha (Psol).

Leia também: Conheça os enredos das escolas de samba do Rio que desfilarão na Sapucaí

Lessa e o ex-policial militar Élcio Queiroz estão presos desde 12 de março de 2019. Os dois respondem por duplo homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, emboscada e recurso que dificultou a defesa da vítima) e pela tentativa de homicídio contra uma assessora de Marielle, que sobreviveu.

Além do processo relativo ao homicídio, Lessa já teve prisão preventiva decretada por lavagem de dinheiro e foi condenado em processos por tráfico internacional de armas e por ocultação das armas usadas no assassinato de Marielle e Anderson.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Eduardo Miranda