ELEIÇÕES 2022

Bolsonaro vai ao Recife no sábado (6) em primeira aparição pública após convenções; Veja agenda

Presença da primeira-dama Michelle Bolsonaro ainda não foi confirmada, após cancelamento de agenda no Recife

Brasil de Fato | Recife (PE) |
Bolsonaro desembarca na capital pernambucana no sábado (6) - Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República

O presidente e pré-candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) desembarca no Recife na manhã deste sábado (6) para fazer sua primeira aparição pública após as convenções partidárias, que terminam nesta sexta-feira (5). A presença da primeira-dama Michelle Bolsonaro é incerta, depois do cancelamento de compromissos na capital no início da semana. Também é a primeira vez que o presidente vem à cidade após ter homenagens à sua família barradas na Câmara Municipal.

A agenda - confirmada pelos aliados pernambucanos Anderson Ferreira (PL) e Gilson Machado Neto (PSC) que compõem chapa com o presidente - inclui uma motociata e a participação na Marcha para Jesus. 

Relembre: Medalha de mérito é negada a Michelle Bolsonaro na Câmara de Vereadores do Recife

A motociata tem concentração na parte externa da Base Aérea do Recife, no bairro do Jordão, às 11h, e sai em direção à Padaria Boa Viagem, na avenida beira-mar, área nobre da cidade, de onde partirá a marcha evangélica.

Michelle Bolsonaro, aposta da campanha bolsonarista para conquistar o eleitorado feminino - o de maior rejeição -, faltou à agenda marcada no Recife dessa última segunda-feira (2). Ela participaria de três eventos com empresários, mas adiou a viagem sem data definitiva. 

Desde julho, a primeira-dama se mostrou reticente a participar ativamente da campanha ao se recusar a gravar as inserções televisivas. Ela sinalizou a entrada de vez ao discursar na convenção do PL, no último dia 24. Mas, após o cancelamento dos últimos compromissos no Recife, sua presença nos atos do sábado ainda não foi confirmada pelos interlocutores.

Palanque com Ferreira e Machado Neto: a campanha antecipada em Pernambuco

Antes mesmo de ter iniciado sua campanha à reeleição, Bolsonaro vinha aproveitando a agenda presidencial para atacar a oposição e fortalecer a associação da sua imagem com Ferreira e Machado Neto, que viriam a compor a chapa de pré-candidatura a Governo e Senado, respectivamente, em Pernambuco.

Após as tragédias que sucederam as fortes chuvas em maio, Bolsonaro convocou coletiva de imprensa no dia 30 no Recife e criticou a ausência o governador Paulo Câmara (PSB) e o prefeito do Recife João Câmara (PSB) - embora não os tenha convidado.

Leia também: Coluna | A quem interessa a construção da Escola de Formação de Sargentos do Exército em Pernambuco?

"Acho que faltou iniciativa da parte dele também. Aqui ninguém está proibido de comparecer neste local, neste momento. Foi amplamente divulgado para a mídia a nossa presença aqui", falou sobre Paulo Câmara.


Em meio à tragédia em Pernambuco, Bolsonaro subiu o tom de voz ao falar do governador Paulo Câmara / Reprodução/YouTube

Ao mesmo tempo em que afirmava que o governador "deveria esquecer a questão política", Bolsonaro fez elogios ao prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Luiz Medeiros (PL) - vice e sucessor de Anderson Ferreira -, que o acompanhou na entrevista.

"Temos aqui o prefeito de Jaboatão, que sobrevoou conosco, ele conhece a região, vai falar o que o governo federal tem feito, não só para seu município, independente da coloração partidária que seja isso."

Meses antes, em 23 de março, a presença de Bolsonaro na inauguração de Escola de Formação de Sargentos do Exército na cidade de Paudalho, na Zona da Mata do Estado, já tinha ares de palanque eleitoral. A comitiva era acompanhada, mais uma vez, por Anderson Ferreira, então prefeito de Jaboatão, e Gilson Machado Neto, à época ainda Ministro do Turismo.

Recife rejeita homenagem à família Bolsonaro

Essa é a primeira vez que Jair Bolsonaro vem ao Recife desde que vereadores alinhados com o bolsonarismo tentaram e falharam em aprovar uma homenagem ao presidente e à sua esposa. No início de julho, iriam à votação na Casa os dois requerimentos que propunham agraciar o casal com medalhas de mérito.

Leia também: Por 16 votos contra nove, medalha de mérito é negada a Michelle Bolsonaro em Recife

A soma da repercussão da notícia, pressão popular e tensão interna de partidos fez com que o autor do texto que condecorava Bolsonaro com a maior honraria da Casa, o policial militar Dilson Batista (Avante), recuasse e retirasse a proposta às vésperas da votação.

Já o requerimento que homenageava Michelle Bolsonaro, de autoria da vereadora evangélica Michelle Colins (PP), chegou a ir para o plenário no dia 5 de julho, em uma sessão que lotou as galerias e mobilizou manifestações na área externa da Casa. O texto não foi aprovado, com 16 votos contra e 9 a favor.  

Leia também: PE: Câmara de Olinda aprova maior honraria para Lula; entrega acontece em ato quinta (21)

Foram contrários os parlamentares dos partidos PSB, PCdoB, PSOL, PT, PSB, PRTB e PROS. Os votos favoráveis vieram de vereadores do PSL, AVANTE, PSC, PODE, PP PSC e SD. 

Fonte: BdF Pernambuco

Edição: Marcos Barbosa