AUXÍLIO

Governo federal se reúne com produtores de arroz orgânico do MST do Rio Grande do Sul

Representantes do movimento detalharam perdas na produção após temporais na região metropolitana de Porto Alegre

Brasil de Fato | Porto Alegre (RS) |
Representantes do MST, de cooperativas ligadas ao movimento e da Prefeitura de Nova Santa Rita foram recebidos pelo governo federal - Foto: Lucas Leffa/Secom-PR

O ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social (Secom) da Presidência da República, Paulo Pimenta, se reuniu nesta terça-feira (28), com representantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), de cooperativas ligadas ao movimento e da Prefeitura de Nova Santa Rita (RS). O assunto foram as enchentes e temporais que atingiram, além de Nova Santa Rita, as cidades gaúchas de Eldorado do Sul e Viamão e prejudicaram os agricultores locais.

Continua após publicidade

:: Enchente atinge assentamentos do MST no RS e compromete safra de arroz agroecológico ::

Os assentamentos do MST nesses municípios foram afetados pelas enchentes que causaram perdas na produção de arroz agroecológico. A região concentra a maior área plantada de arroz orgânico da América Latina.

Em alguns locais, a perda da lavoura de arroz chegou a ser de 100%, de acordo com o dirigente estadual Cedenir Oliveira. Segundo ele, no município de Eldorado do Sul, mais de 2,7 mil famílias tiveram que sair de suas casas. Além do arroz, a lavoura de hortaliças foi prejudicada.


Segundo o dirigente estadual do MST no RS Cedenir Oliveira, em alguns locais a perda da lavoura de arroz chegou a ser de 100% / Foto: Lucas Leffa/Secom-PR

O ministro Paulo Pimenta afirmou que o governo federal acompanha de perto e tem muito interesse que a situação seja amenizada. Pimenta ainda destacou que é necessário avaliar cada item da pauta apresentada. “É importante prepararmos uma resposta para todos esses itens”, finalizou. Será feita uma segunda reunião para abordar o assunto e analisar mais detalhadamente.


O ministro Paulo Pimenta adisse que o governo irá preparar uma resposta para todos os itens apresentados na reunião / Foto: Lucas Leffa/Secom-PR

Também estiveram presentes na reunião representantes do Ministério do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar (MDS); Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome (MDS); Ministério da Fazenda (MF); Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa); da Defesa Civil; da Secretaria-Geral da Presidência da República (SG-PR); e da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Assentados se mobilizam nesta quarta-feira

Assentados de Nova Santa Rita, Eldorado do Sul e Viamão, atingidos pelas enchentes do Rio Jacuí, vão para as margens de rodovias logo cedo da manhã desta quarta-feira (29). O objetivo é dialogar com a sociedade e expor a grande perda na produção agroecológica da região. As famílias pedem ações do governo do estado e federal para amenizar os impactos das inundações. A ideia é reunir ao menos 200 pessoas em cada cidade.

:: Cozinha solidária do MST distribui milhares de marmitas para atingidos pelas chuvas no estado ::

Em Viamão, a manifestação será na entrada do Assentamento Filhos de Sepé. Em Nova Santa Rita, na BR Assentamento Montepio; em Eldorado do Sul, na BR 290, entrada do Assentamento Lanceiros Negros.

Além da enchente, os agricultores enfrentaram estiagem prolongada nos últimos três anos com diversos estragos na cadeia produtiva do leite, arroz e feijão.

O MST está solicitando a todos os órgãos, tanto em nível federal como estadual, ajuda para conseguir manter o Projeto de Produção de Arroz Orgânico e as hortas das famílias atingidas. “A transição agroecológica é um processo que acompanha a nossa história, desenvolvida em torno das relações que constituímos com a natureza”, destaca o produtor de arroz Marildo Mulinari, conhecido como Tubiano.

O movimento está pedindo medidas estruturantes que atendam a demanda de produção de forma urgente, como renegociação das dívidas de todos os agricultores atingidos; investimentos por meio do Plano Camponês; crédito emergencial de R$ 15 mil por família para aquisição de equipamentos e utensílios de produção; Linha de Recurso Emergencial com subsídio dos governos federal e estadual; e infraestrutura de estradas, além de barragens.

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Katia Marko