fora do ar

Brasil de Fato RJ notifica Facebook por bloqueio de página com mais de 11 mil seguidores

Análise solicitada pelo BdF RJ na plataforma se arrasta por mais de seis meses e página continua fora do ar

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |
Desde 2013 o jornal Brasil de Fato RJ circula nas ruas e nas redes trazendo uma visão popular do Brasil e do mundo aos cariocas - Jaqueline Deister/Brasil de Fato

Há mais de seis meses, a página do Brasil de Fato RJ no Facebook, com mais de 11 mil seguidores, foi tirada do ar sem qualquer explicação. O bloqueio aconteceu após a publicação de uma matéria sobre violência policial, no caso da agressão de guardas municipais contra entregadores de aplicativo na Tijuca, zona norte da cidade. 

Continua após publicidade

A reportagem com o título “No Rio, guardas municipais agridem entregador de app e redes sociais lembram caso George Floyd” trazia a foto de um agente ajoelhado na cabeça do entregador.

Leia mais: Dona do Facebook, Meta paga multa de R$ 6,1 milhões por não dar informações em caso Marielle

A página foi bloqueada imediatamente após a publicação, no dia 10 de maio, "por ferir as leis e diretrizes da comunidade". No entanto, ao solicitar uma análise da plataforma, que segundo o Facebook aconteceria dentro de poucos dias, não houve resposta.

Diante da falta de resolução, o Brasil de Fato RJ, por meio do escritório de advocacia Flora, Matheus e Mangabeira, notificou o Facebook Brasil solicitando a retirada imediata do bloqueio na última terça-feira (28). 

O advogado André Matheus afirma que o bloqueio da plataforma sem justificativa, mesmo que temporário, configura violação da liberdade de imprensa. A notificação extrajudicial estabelece prazo de 15 dias para o Facebook solucionar o caso. 

"As plataformas hoje são ferramentas fundamentais nas redes sociais para veículos imprensa. Excluir ou bloquear uma plataforma utilizada por um veículo de comunicação, mesmo seguindo os padrões jornalísticos e os termos de uso da referida plataforma, para a gente é um verdadeiro cerceamento da liberdade de expressão e imprensa", afirma Matheus.

"Enquanto vocês ficarem sem plataforma, vocês não conseguem compartilhar o conteúdo necessário e mostrar o trabalho de vocês", completa ressaltando os prejuízos para a atividade jornalística e a divulgação dos conteúdos do Brasil de Fato.

Liberdade de expressão

A notificação enviada ao Facebook sustenta que não há provas da necessidade do bloqueio da página. Ao pedir a retirada imediata do bloqueio, o texto também cita violação de fundamentos democráticos como da liberdade de expressão e a Lei n° 12.965/14 (Marco Civil da Internet), que "possui como princípios, dentre outros, a garantia da liberdade de expressão, comunicação e manifestação de pensamento".


Fora do ar para o público, mensagem do Facebook mostra que a página do Brasil de Fato RJ está em análise há seis meses / Reprodução

"Com efeito, indene de dúvidas que a desativação imotivada da conta da notificante, no Facebook, com mais de 11 mil seguidores, violou o seu direito à liberdade de expressão e repercutiu negativamente sobre as suas atividades profissionais, privando-a, indevidamente, de participar dos assuntos profissionais, bem como dos demais, com fins", diz o texto.

Histórico e reconhecimento

Neste ano, o Brasil de Fato RJ completou 10 anos de existência. O veículo de comunicação pensado para os trabalhadores e trabalhadoras foi distribuído em formato tabloide pela primeira vez no dia 1º de maio de 2013, quando um grupo de militantes de movimentos sociais e organizações políticas realizaram um antigo sonho de criar um jornal popular.

Leia também: Brasil de Fato RJ recebe prêmio na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro

Em agosto deste ano, o veículo foi um dos homenageados com o prêmio Heloneida Studart de Cultura da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). A cerimônia de entrega do diploma aconteceu no Palácio Tiradentes, sede histórica do parlamento fluminense, localizado no centro do Rio de Janeiro.

O jornal foi novamente homenageado na última segunda-feira (27), desta vez com uma monção de reconhecimento e louvor promovida pela Câmara do Rio no Auditório da Academia Brasileira de Imprensa (ABI), também no centro da cidade.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Jaqueline Deister