AGROTÓXICOS

Fortaleza e outras cidades do Ceará tem agrotóxicos detectados na água

Mais de 200 municípios brasileiros também tiveram substâncias tóxicas encontradas na água após a realização dos testes.

Brasil de Fato | Juazeiro do Norte (CE) |
A mistura de agrotóxicos na água preocupa especialistas por causarem efeitos ainda desconhecidos - Andres Siimon/Unsplash

Cerca de 27 tipos diferentes de agrotóxicos foram detectados na água consumida pela população de quatro municípios cearenses: Fortaleza, Caucaia, Russas e Ararendá. Além das cidades cearenses, mais de 200 outros municípios brasileiros também tiveram resultados positivos para a presença de substâncias tóxicas presentes na água que abastece parte da população.

Continua após publicidade

De acordo com resultado dos testes realizados ainda em 2022 e divulgados na última segunda-feira (16) pelo Repórter Brasil, a partir do cruzamento com informações do Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Sisagua), do Ministério da Saúde, cerca de 210 municípios brasileiros estão na lista de locais onde os agrotóxicos foram detectados. A pesquisa revela ainda que o número pode ser bem maior, pois 56% dos municípios brasileiros não enviaram dados ou publicaram informações consideradas inconsistentes pelo Ministério da Saúde.

Leia mais: Aprovação do PL do Veneno teria impacto global e aumentaria 'via dupla' de agrotóxicos com UE, destacam entidades

A jornalista Amanda Sampaio, de 36 anos de idade e moradora de Fortaleza, afirma que visualiza diversos riscos possíveis com a quantidade de agrotóxicos presente na água que abastece toda a população das cidades. A jornalista afirma ainda que os riscos podem ser diretos e indiretos, pois, mesmo que algumas pessoas não façam o consumo direto da torneira, utilizam a água para preparo de refeições. "Os agrotóxicos têm uma relação direta com questões cancerígenas e até com depressão também. Então, a gente está exposto a curto e a longo prazo a uma série de doenças que podem aparecer cada vez mais cedo por conta da nossa exposição frequente a esses venenos", afirmou.

Mesmo com o alto número de substâncias encontrados, os testes identificaram que, se olhadas separadamente, a concentração de cada substância está dentro do limite considerado não-nocivo pelo Ministério da Saúde. Ou seja, mesmo presentes na água utilizada para consumo humano, a quantidade não é prejudicial para a população. No entanto, fica o alerta para os que consomem de forma considerável a água fornecida pela Companhia de Água e Esgoto do Estado do Ceará (Cagece). Apesar disso, cabe ainda ressaltar que a regulação brasileira não leva em conta os riscos da interação entre os diferentes tipos de pesticidas.

:: Agrotóxicos matam pelo menos 90 milhões de abelhas na Bahia após pulverização ::

Procurada pelo Brasil de Fato Ceará, a Cagece informou que "o abastecimento de água nos municípios: Fortaleza, Caucaia, Russas e Ararendá, não oferece nenhum risco para a população, visto que os parâmetros estão dentro dos padrões de potabilidade de água estabelecidas na Portaria de Consolidação nº5 do Ministério da Saúde. E o monitoramento obedece rigorosamente às exigências do Ministério da Saúde". Além disso, quando questionados pelo jornal sobre o funcionamento normal de abastecimento de água nos municípios, sem previsão de quaisquer testes para melhoria da qualidade da água para a população afetada, não obtivemos retorno até o fechamento da matéria.

Dentre os 27 agrotóxicos encontrados na água distribuída nesses quatro municípios cearenses, 15 deles estão associados ao desenvolvimento de doenças crônicas como câncer, disfunções hormonais e reprodutivas.

Falta de regulamentação do Ministério da Saúde

Um dos maiores fatores preocupantes quando nos deparamos com o número de pesticidas detectados na água consumida, é que o Ministério da Saúde não regula a possibilidade de interação entre as diferentes substâncias encontradas, interação essa chamada de "efeito coquetel", e que pode gerar consequências ainda desconhecidas ao organismo humano.

:: Reforma tributária garante tributação reduzida para compra de agrotóxicos ::

A jornalista expõe que ainda considera muito fraca a regulação feita pelo Ministério da Saúde em relação a quantidade de agrotóxicos presentes em produtos consumidos pelo povo brasileiro. "A gente vê vários agrotóxicos que já são proibidos, por exemplo, na Europa, que continuam a ser usados no Brasil e que, inclusive, tem vários que têm isenção fiscal. Por isso, precisamos que esse processo de regulação e fiscalização, que é fundamental para que a gente possa ter minimamente a saúde da população garantida, seja fortalecida."


Os dados do Ministério da Saúde também mostram que 6 em cada 10 municípios que fizeram testes encontraram ao menos um agrotóxico em sua água / Engin Akyurt/Unsplash

Adriana ainda ressalta que a água não deve ser uma mercadoria, embora seja tratada como um produto que pode ser vendido e precificado. "Ela não deve ser uma mercadoria porque ela é um bem comum e essencial à vida. Eu acho que essa situação pode ser revertida sim, com vontade política. Não faz nenhum sentido a gente comer e tomar veneno", pontuou.

Enquanto a União Europeia impõe um limite para a presença de diferentes substâncias na água, o risco da mistura é ignorado pela normativa do Ministério da Saúde. A pasta teve a chance de regular essa questão em 2021, quando a nova Portaria de Potabilidade da Água foi aprovada, mas tratou apenas dos limites individuais. Quando questionados pelo Repórter Brasil sobre a falta de regulação, o Ministério afirmou que existe uma grande dificuldade em calcular os efeitos causados pelas diferentes combinações de substâncias químicas na água.

:: Para receber nossas matérias diretamente no seu celular clique aqui ::

Fonte: BdF Ceará

Edição: Camila Garcia