pandemia

Familiares de vítimas da covid exigem políticas aos enlutados; acompanhe no Programa Bem Viver

Brasil está prestes a completar um ano do período mais letal de sua história, registrado entre março e maio de 2021

Ouça o áudio:

Por conta da pandemia, março de 2021 foi o mês mais letal da história do Brasil - Pixabay
Enlutados criam associação para marcar memórias de vítimas de covid

O Brasil está prestes a completar um ano do seu maior luto coletivo: entre março e maio de 2021 o país vivia o pior momento da pandemia, registrando números recordes de mortes na história do país. Ao tudo indica, o período foi o mais letal já registrado.

Nestes meses em que se completa um ano do pico de mortes, amigos e familiares enlutados organizaram uma mobilização para não deixar que este marco seja esquecido. Uma das estratégias para manter essa memória, individual e coletiva, foi a criação da Associação de Vítimas e Familiares de Cítimas da Covid-19 (Avico), destaque da edição de hoje (28) do Programa Bem Viver.

A reportagem conversou com a presidenta do grupo, Paola Falceta, que também é uma enlutada da pandemia e atua, há anos, na defesa dos direitos sociais.

Pela ciência

De olho nas eleições deste ano, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) está produzindo um documento que reúne medidas urgentes para a educação brasileira.

O resultado deste trabalho será entregue aos candidatos à Presidência da República. Para os especialistas da organização, é fundamental pensar em políticas que combatam as desigualdades aprofundadas na pandemia.

Elas na música

A conquista das mulheres na música, ambiente tradicionalmente dominado por homens, ganha destaque no Bem Viver.

Por muitos anos, foi considerado inapropriado ou até proibido uma mulher tocar um instrumento. O mais comum era ver as mulheres cantando ou seguindo a banda. Esse foi o entendimento que perdurou por décadas e felizmente vem mudando.

Pra debater esse cenário, a reportagem conversou com duas musicistas de peso: Ana Cañas, compositora, cantora e instrumentista com presença nacional no mercado da música; e Andréia Preta, musicista talentosa que quase desistiu da música por opressões quando estava começando.


Confira como ouvir e acompanhar o Programa Bem Viver / Brasil de Fato

Sintonize

O programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo.

Em diferentes horários, de segunda a sexta-feira, o programa é transmitido na Rádio Super de Sorocaba (SP); Rádio Palermo (SP); Rádio Cantareira (SP); Rádio Interativa, de Senador Alexandre Costa (MA); Rádio Comunitária Malhada do Jatobá, de São João do Piauí (PI); Rádio Terra Livre (MST), de Abelardo Luz (SC); Rádio Timbira, de São Luís (MA); Rádio Terra Livre de Hulha Negra (RN), Rádio Camponesa, em Itapeva (SP), Rádio Onda FM, de Novo Cruzeiro (MG), Rádio Pife, de Brasília (DF), Rádio Cidade, de João Pessoa (PB), Rádio Palermo (SP), Rádio Torres Cidade (RS) e Rádio Cantareira (SP).

A programação também fica disponível na Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver também está nas plataformas: Spotify, Google Podcasts, Itunes, Pocket Casts e Deezer.

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: [email protected]

Edição: Sarah Fernandes