meio ambiente

Quais os impacto do garimpo ilegal na Amazônia? Entenda no Programa Bem Viver

Professora da Universidade Federal do Pará discute possibilidade de recuperação dos rios afetados

Ouça o áudio:

Em novembro deste ano, 300 balsas de garimpo foram flagradas minerando ilegalmente em um trecho do Rio Madeira no estado do Amazonas - Bruno Kelly/Greenpeace
A mineração tem um financiador. É através do bloqueio de bens e multas que se consegue uma reversão

O garimpo ilegal, praticado em larga escala na Amazônia, afeta diretamente a natureza e a vida de quem mora nas redondezas dessas atividades. Uma das consequências mais danosas é a contaminação de rios e cursos d'água com mercúrio, substância química usada na mineração de ouro, com potencial extremamente tóxico para pessoas e animais.

“O mercúrio é utilizado como aglutinador, separando o ouro de outras impurezas. As pessoas que trabalham na mineração aspiram o mercúrio e grande parte da substância chega à atmosfera e volta para a superfície, para os rios, e chega nos peixes e nas pessoas que comem o peixe”, disse em entrevista a edição de hoje (16) do Bem Viver a professora da Universidade Federal do Pará, especialista em química, Simone Pereira. “O mercúrio causa muitos problemas de saúde, principalmente neurológicos.”

Em novembro deste ano, 300 balsas de garimpo foram flagradas minerando ilegalmente em um trecho do Rio Madeira no estado do Amazonas. O fato repercutiu nacionalmente e após uma série de reportagens de diversos veículos de imprensa, uma operação da polícia federal apreendeu 131 embarcações. As demais foram abandonadas antes da chegada dos agentes.

Apesar da ação da política federal, a paralisação das atividades tende a ser temporária. Os próprios garimpeiros já prometeram voltar ao local. “A exploração do ouro na Amazônia tem um financiador, que é alguém poderoso que nem sabe onde fica aquele garimpo. É através do bloqueio dos bens dele e de multas pesadas que se consegue reverter a situação. Não é buscando o garimpeiro, que está arriscando a vida, ficando 24 horas na selva, em uma balsa que pode virar, correndo riscos”, diz a professora.

Violência policial e racismo

As polícias brasileiras matam, em média, uma pessoa negra a cada quatro horas no país, segundo um estudo publicado pela Rede de Observatórios da Segurança. Para especialistas e membros de movimentos populares, os dados escandaram a relação direta entre violência policial e racismo.

As informações foram coletados em 2020 e apontam que mais de 82% das vítimas de ações policiais eram negras.

Bell Hooks

A escritora estadunidense Bell Hooks morreu ontem (15) aos 69 anos, nos Estados Unidos, deixando um enorme legado de luta contra o machismo, o racismo e a desigualdade social.

A ativista feminista estava cercada de pessoas próximas no momento da partida e é, para muitos, uma sementes que continuará compartilhando esperança para o mundo.


Confira como ouvir e acompanhar o Programa Bem Viver / Brasil de Fato

Sintonize

O programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo.

Em diferentes horários, de segunda a sexta-feira, o programa é transmitido na Rádio Super de Sorocaba (SP); Rádio Palermo (SP); Rádio Cantareira (SP); Rádio Interativa, de Senador Alexandre Costa (MA); Rádio Comunitária Malhada do Jatobá, de São João do Piauí (PI); Rádio Terra Livre (MST), de Abelardo Luz (SC); Rádio Timbira, de São Luís (MA); Rádio Terra Livre de Hulha Negra (RN), Rádio Camponesa, em Itapeva (SP), Rádio Onda FM, de Novo Cruzeiro (MG), Rádio Pife, de Brasília (DF), Rádio Cidade, de João Pessoa (PB), Rádio Palermo (SP), Rádio Torres Cidade (RS) e Rádio Cantareira (SP).

A programação também fica disponível na Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver também está nas plataformas: Spotify, Google Podcasts, Itunes, Pocket Casts e Deezer.

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: [email protected]

Edição: Sarah Fernandes