direito à cidade

Que história contamos pelos monumentos das cidades? O Programa Bem Viver responde

Para o Instituto Polis, a cidade prioriza uma narrativa branca, colonialista e masculina da história do país

Ouça o áudio:

Estátua do bandeirante Borba Gato em chamas, na zona Sul de São Paulo - Thais Haliski
As obras podem retratar momentos históricos, mas elas ainda fazem sentido? Quem elas atacam?

Que história e que valores os monumentos da cidade de São Paulo contam para as próximas gerações? Para o Instituto Polis, a cidade prioriza uma narrativa branca, colonialista e masculina da história do país, segundo um estudo conduzido pela instituição, que analisou e comparou monumentos de vias públicas de São Paulo, levando em conta os personagens que homenageiam, o tamanho das obras e até os materiais utilizados em sua construção.

“Colocar um monumento em um espaço público significa contar uma história e relembrar valores que a cidade acha importante levar a diante e continuar mantendo. As obras podem retratar momentos históricos importantes, mas precisamos nos perguntar se elas ainda fazem sentido. Quem elas atacam? Quem privilegiam?”, disse a responsável pelo estudo, Cássia Caneco, em entrevista a edição de hoje (3) do Programa Bem Viver.

O debate ganhou força no último fim de semana, após a estátua do bandeirante Borba Gato, instalada no bairro de Santo Amaro, na capital paulista, ter sido incendiada em um protesto. O ativista Paulo Galo assumiu a autoria do ato e está preso desde quarta-feira. A esposa dele, Géssica Barbosa, que não participou do ato, também chegou a ser presa, mas foi liberada após pressão de movimentos populares.

Cinco covereadoras que integram o mandato coletivo do PSOL na Câmara dos Vereadores de São Paulo apresentaram, no final da semana passada, uma proposta de plebiscito municipal sobre a retirada da estátua, que integra um conjunto de outras homenagens a personagens controversos da história brasileira.

O levantamento do Instituto Polis identificou, em novembro de 2020, 200 monumentos de formas humanas em São Paulo. Deles, 137 homenageavam homens brancos e só uma de uma mulher negra. Pelo menos 15 monumentos retratam personagens controversos e apenas cinco homenageiam pessoas pretas.

“Chamou a atenção a proporção dessas figuras. A estátua do Borba Gato tem 13 metros de altura. Se juntarmos todas as estátuas que homenageiam pessoas negras ou indígenas não chegamos a essa proporção”, afirmou. “Isso mostra de quem é o espaço público e quem pode ocupá-lo”

CPI da Covid-19

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 no Senado volta a se reunir presencialmente a partir desta terça-feira (3). O primeiro depoente a comparecer será o revendedor Amilton Gomes de Paula, do sócio da empresa Precisa Medicamentos, apontada como intermediadora do governo federal para negociar a compra de vacinas com empresas atravessadoras.

Os senadores investigam a suspeita de um pedido de propina na compra de 400 milhões de doses da vacina da farmacêutica Astrazeneca, por meio de uma segunda atravessadora, chamada Davati. Há ainda indícios que o governo federal indicou um empresário, que não faz parte do Ministério da Saúde, para negociar com uma empresa intermediária.

Ainda no ano passado, a Astrazeneca declarou que não negocia com intermediadores, só diretamente com governos. Tanto que em junho do ano passado, a farmacêutica fechou uma parceria com o Brasil para desenvolver a vacina por meio da Fiocruz.

O Programa Bem Viver atualiza a história e explica o cenário para o retorno dos trabalhos presenciais da CPI.

Armazém do campo

O Armazém do Campo, estabelecimento inaugurado pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), completa cinco anos de existência, levando a produção agroecológica de assentamentos e acampamentos da reforma agrária para os centros urbanos, a um passo das pessoas que não podem comprar direto dos produtores.

Hoje já são 28 lojas distribuídas em 13 estados do país. A mais antiga é a sede de São Paulo, criada em 2016. Nesses cinco anos de História, além de ofertar uma variedade de alimentos saudáveis pra população paulistana, o Armazém foi palco de diversos eventos importantes. Antes da pandemia, era um tradicional ponto de encontro dos movimentos populares e de eventos culturais, reunindo rodas de samba, autores de livros e voluntários para ações de solidariedade.

Esse último ponto se fortaleceu com a pandemia, em diversas unidades do Armazém do Campo. Os estabelecimentos viraram cozinhas para produção de marmitas e pontos de encontro para organizar a distribuição de cestas básicas. Os coordenadores da loja de São Paulo afirmam que o objetivo é chegar a 5 mil marmitas doadas só nos próximos dias, em um grande esforço de solidariedade.


Produção da Rádio Brasil de Fato vai ao ar de segunda a sexta-feira / Brasil de Fato / Bem Viver

Sintonize

O programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo e 93,3 FM na Baixada Santista.

Em diferentes horários, de segunda a sexta-feira, o programa é transmitido na Rádio Super de Sorocaba (SP); Rádio Palermo (SP); Rádio Cantareira (SP); Rádio Interativa, de Senador Alexandre Costa (MA); Rádio Comunitária Malhada do Jatobá, de São João do Piauí (PI); Rádio Terra Livre (MST), de Abelardo Luz (SC); Rádio Timbira, de São Luís (MA); Rádio Terra Livre de Hulha Negra (RN), Rádio Camponesa, em Itapeva (SP), Rádio Onda FM, de Novo Cruzeiro (MG), Rádio Pife, de Brasília (DF), Rádio Cidade, de João Pessoa (PB), Rádio Palermo (SP), Rádio Torres Cidade (RS) e Rádio Cantareira (SP).

A programação também fica disponível na Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver também está nas plataformas: Spotify, Google Podcasts, Itunes, Pocket Casts e Deezer.

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: [email protected]

Edição: Sarah Fernandes